Alguma da obra poética dos seus heterónimos, especialmente o Livro do Desassossego de Bernardo Soares...

.posts recentes

. Temor da morte

. sem título

. Trecho 433, Livro do Desa...

. trecho 188, Livro do Desa...

. trecho 182, Livro do Desa...

. ...

. Carta a Ophélia não datad...

. Ode de Ricardo Reis

. Trecho 381 do Livro do De...

. outra Ode de Ricardo Reis

.arquivos

. Outubro 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

Sábado, 21 de Janeiro de 2006

A jornalista Clara Ferreira Alves demitiu-se da direcção da Casa Fernando Pessoa

fa45b820f71b4f8a8ef26fe07ab393b2.jpg
Na base desta decisão de Clara Ferreira Alves está um cansaço acumulado, devido «à irracionalidade burocrática do modelo administrativo da Casa», bem como a necessidade de ter tempo para se dedicar à escrita.

Quando entrou para a direcção da Casa Fernando Pessoa, o principal objectivo de Clara Ferreira Alves era transformá-la numa fundação, objectivo esse que parecia poder tornar-se numa realidade a curto prazo, a julgar pelas palavras de Santana Lopes em 2003, por ocasião do 10ª aniversário da instituição, que transformou publicamente essa intenção numa promessa.


Em princípio, a Câmara de Lisboa seria o principal fundador de uma fundação que combinaria capitais públicos e privados.O certo é que decorreram mais de dois anos e tudo se mantém na mesma por uma simples razão: não foi possível captar investidores privados.

A jornalista e escritora revela mesmo que em 2005 não teve dinheiro para fazer praticamente nada. Ou seja houve desinvestimento por parte da Câmara naquela instituição.

O novo director da casa Fernando Pessoa, Francisco José Viegas, quer o equipamento mais visível na cidade, para públicos distintos, com muitos estudantes, e ponto de encontro para poetas e escritores, portugueses e estrangeiros.

Francisco José Veigas mostra-se entusiasmado com o projecto: o responsável, que deve entrar em funções no dia 1 de Fevereiro, quer que a Casa Fernando Pessoa seja "mais aberta", com "ateliers para os jovens das escolas de Lisboa", e local de encontro "para os amantes da poesia e da literatura". Um projecto, disse, que também passe por convidar autores estrangeiros "para escreverem sobre Lisboa".

publicado por busybee às 19:32
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds