Alguma da obra poética dos seus heterónimos, especialmente o Livro do Desassossego de Bernardo Soares...

.posts recentes

. Temor da morte

. sem título

. Trecho 433, Livro do Desa...

. trecho 188, Livro do Desa...

. trecho 182, Livro do Desa...

. ...

. Carta a Ophélia não datad...

. Ode de Ricardo Reis

. Trecho 381 do Livro do De...

. outra Ode de Ricardo Reis

.arquivos

. Outubro 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

Segunda-feira, 10 de Janeiro de 2005

Isto- Fernando Pessoa



Dizem que finjo ou minto
Tudo o que escrevo. Não.
Eu simplesmente sinto
Com a imaginação.
Não uso o coração.

Tudo o que sonho ou passo,
O que me falha ou finda,
É como que um terraço
Sobre outra coisa ainda.
Essa coisa que é linda.

Por isso escrevo em meio
Do que não está ao pé,
Livre do meu enleio,
Sério do que não é.
Sentir! Sinta quem lê!
publicado por busybee às 19:57
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De pedropedroosegundo a 11 de Junho de 2010 às 20:22
O que me chateia é que eu sinto e entendo o que ele diz, pois faz lembrar a minha pessoa. Eu também sinto que tenho vários eus. Por um lado tenho o Eu que quer tudo, que sonha fazer tudo, que fala que vai fazer tudo, mas que cessa.

Que é esbofeteado pelo outro eu, que lhe tira esse sonhos e os afoga na realidade. Eu penso penso penso e depois já passou, passo dias a pensar. Como uma amiga minha me disse. Pensas demais, estás sempre a pensar.

Mas é verdade, eu partilho disto, da Dor de Pensar.
De busybee a 30 de Agosto de 2010 às 21:00
:) pois é: somos dois.
De Faustodevil a 6 de Março de 2015 às 04:03
Esse poema tomou de assalto minha adolescência. Era muito intrigante e subversivo, pra mim, alguém dizer: "Sentir! Sinta quem lê".
Depois, por toda minha vida adulta, percebi que toda minha formação cultural tinha, de certa forma, tinha estreita relação com esse poema. Dessa forma, entrei no mundo da poesia, da leitura , do romance, da MPB...
De Palloma Ponciano Caldas a 30 de Junho de 2016 às 04:55
Eu sou uma poesia em movimento, em fome... uma poesia viva! Já sinto tanto que chego a não sentir o que deveras sinto. Mas os meus poemas fazem fluir sentido e sentimento nos outros.

Seja meus poemas escritos em papel, ou em olhares.
Seja eles manifestados em som ou em teatro.

Mas são alheios ao que realmente sinto. Afinal, 'sinta quem ler'.
Fernando é uma luz cheia de confusões ordenadas...que me levam a definir-me...a encontrar-me.

Amo.

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds